Dicas de Beleza para corredores

0
16

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

A pandemia trouxe novos hábitos para todos, um deles é o uso da máscara, inclusive correndo, e que pode perdurar até a vacinação. A dermatologista Adriana Vilarinho, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e autora de “Beleza à Flor da Pele” (Ed Abril) tem muito clientes maratonista e preparou algumas dicas para  os leitores do blog. “Surgiram novas doenças provocadas pelo uso da máscara. Uma delas é a masquinê,  uma espécie de acne que inflama a região da pele em contato com a máscara; e também as dermatites pele oral  por conta do material da máscara e o tempo prolongado de uso, a troca de gases, suor e a saliva”, observa a médica.

Adriana Vilarinho recomenda uso de máscaras

Além disso, a Covid-19 tem desencadeado problemas de pele também, com erupções como a da catapora e, principalmente, queda de cabelo. ” Covid é um vírus enigmático em dermatologia, causa desde queda de cabelo, dermatite seborreica, lesões cutâneas que mimetizaram desde urticária à catapora. Eu e meu marido tivemos Covid assintomática, fizemos acompanhamento médico medico e pretendo continuar usando máscara para sempre. Máscara salva”, conta Adriana.

Dicas de Adriana Vilarinho

Rosto: use máscaras esportivas sempre. Antes do treino lave o rosto, aplique protetor solar fator 50 (mínimo), ao menos  dez minutos antes de sair. Na volta, lave o rosto, hidrate a e pele. Lave a máscara. Nos fins de semana reserve um momento para aplicar uma máscara de pele caseira. O uso prolongado da máscara resseca a pele. Para peles sensíveis faça uma máscara de iogurte magro, óleo essencial de lavanda e mel. Deixar agir de 15 a 20 minutos. Para quem tem pele oleosa, use argila verde e um pouco de mel. O mel é cicatrizante e calmante.  Em ambos os casos aplique com o rosto limpo, deixa agir 20 minutos,  depois lave com bastante água e aplique o hidratante. Se tiver passado álcool em gel evite passar as mãos nos olhos, pois pode causar conjuntivite. Se precisar levar álcool em gel leve no formato de lenções umedecidos. E protetor solar há em sticker e em aerossol.

Careca: sempre lembrar de passar protetor solar em todo o couro cabeludo, orelhas e pescoço, até dez minutos antes do treino. Essa dica vale para quem tem pouco cabelo também.

Pés: hidrate com uma fórmula caseira. Medidas iguais de  vaselina sólida e óleo de amêndoa. Após o banho e antes de dormir, aplique o creme, calce uma meia branca e durma. Pode ser aplicado também nas mãos, cotovelos e joelhos. Vaselina não tem nenhuma contraindicação. Para evitar as micoses de pé e unha, tenha mais de um tênis, para intercalar o uso – e assim que retornar do treino aplicar Lisoforme na parte interna do calçado. Após maratonas, procure o dermatologista para avaliar o estado das unhas – há tratamentos específicos para isso. E não retire a unha, ela funciona como um band-aid natural .

Cabelos: antes do treino na rua, passe um pouco de óleo vegetal, pode ser de Girassol, Argan  vá correr e na volta lave os cabelos. O óleo vai proteger os fios do ressecamento do sol e da poluição, e vai hidratando os fios durante a corrida.

Corpo: protetor solar 30, sempre. E para quem perdeu o tônus durante a pandemia há a estimulação muscular profunda, que age por meio de um campo magnético. Melhora o tônus e tem uma função fisiológica também. A pessoa faz deitado.

Virilha: atenção homens maratonistas, usar o short suado durante muito tempo, pode causar micose na virilha, que se apresenta em forma de vermelhidão e coceira. Marque uma consulta com o dermatologista que vai receitar um antimicótico. E após o banho, seque bem a região usando secador de cabelos no jato mais frio. Essa micose pode surgir também nas axilas.

Confira abaixo a entrevista completa com a Dra. Adriana Vilarinho

 

 

 

 

 

 

 

 

A máscara salva, ela é super importante e deve ser usada daqui para frente



Fonte



Outros sites desenvolvidos pela Lima & Santana Propaganda


Lima & Santana Propaganda