Cidades do Centro-Oeste Paulista fazem campanha de vacinação contra o sarampo | Bauru e Marília

    0
    107

    Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

    .

    As cidades do Centro-Oeste Paulista vão aderir à campanha nacional de vacinação contra o sarampo, que tem início nesta segunda-feira (10). O Dia D da campanha está marcado para este sábado (15).

    Até o dia 13 de março, o foco da campanha são pessoas de 5 a 19 anos. A recomendação do Programa Estadual de Imunização é de que pessoas de um a 29 anos tenham duas doses da vacina na carteira.

    O Centro de Vigilância Epidemiológica estadual registrou 1.352 casos da doença até o momento em 2020. Em 2019, foram registrados 16.075 casos e 14 mortes decorrentes de complicações pelo sarampo no estado de São Paulo.

    Em Bauru, a vacina está disponível em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS), de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h ou das 8h às 19h, conforme cada horário de expediente. Confira os endereços das unidades aqui.

    Segundo a prefeitura, Bauru registrou 82 casos de sarampo em 2019. Neste ano, ainda não houve registro da doença na cidade.

    No próximo sábado (15), as cidades da região vão realizar o Dia D contra o sarampo. Às 9h, Marília vai receber uma solenidade na UBS Cascata e todas as unidades de saúde estarão abertas das 8h às 17h.

    Em Jaú, a prefeitura informou que o horário de funcionamento das unidades no Dia D é das 7h às 17h e, em Santa Cruz do Rio Pardo, das 8h às 12h. Já em Agudos, no Dia D contra o sarampo, todas as unidades de saúde estarão abertas das 8h às 17h.

    Os postos de saúde das cidades da região também vão oferecer também a vacina contra febre amarela, para pessoas a partir de 9 meses. A dose pode ser aplica simultaneamente com a tríplice viral, caso haja necessidade, em pessoas a partir de 2 anos de idade.

    Em crianças com idade inferior, será priorizada a vacina contra o sarampo e agendada a aplicação da vacina contra febre amarela para quatro semanas depois.

    A vacina contra febre amarela leva dez dias para garantir proteção efetiva, e é fundamental para pessoas que vão circular em áreas verdes no carnaval, por exemplo.

    Devem consultar o médico sobre a necessidade da vacina contra febre amarela os portadores de HIV positivo, pacientes com tratamento quimioterápico concluído e transplantados.

    Não há indicação de imunização para grávidas, mulheres amamentando, crianças com até 6 meses e imunodeprimidos, como pacientes em tratamento quimioterápico, radioterápico ou com corticóides em doses elevadas (como por exemplo Lúpus e Artrite Reumatoide) e alérgicos a ovo.

    Em 2020, não houve casos da doença, até o momento. Em 2019, foram 67 casos de febre amarela silvestre, com 13 óbitos.

    Vale ressaltar que o tipo de vírus que circula atualmente em SP é silvestre, transmitidos pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes e não há relação com o Aedes aegypti. Não há casos de febre amarela urbana no Brasil desde 1942.



    Fonte